Páginas

quinta-feira, 4 de julho de 2013

REENCARNAÇÃO SEGUNDO O ESPIRITISMO:


Neste artigo vamos entender um pouco sobre a Reencarnação segundo o Espiritismo.

Jesus disse: Eu sou a ressurreição e a vida, aquele que crer em mim não morrerá!

O que ele quis dizer com isso é que o corpo material morre, vira pó e à terra retorna, mas o espírito continua vivo para uma nova encarnação em um outro corpo — a reencarnação.

Confie e acredite, pois essa é a lei de Deus para sucessivas encarnações, para a evolução do homem. Este é o conteito básico para entender sobre Reencarnação Espiritismo.



A igreja sempre falou na ressurreição após a morte, mas escondia a existência de quaisquer manifestações mediúnicas para ter domínio e soberania sobre o povo. A igreja naquela época era poder absoluto.

Essas manifestações eram escondidas até mesmo por quem as tinha, os médiuns, pois a igreja condenava à morte na fogueira todas as pessoas que ouviam, viam e sentiam alguma coisa em relação à mediunidade.

O caso mais conhecido de mediunidade foi o de Joana d’Arc. Aos 3 anos de idade, um acontecimento despertou em seu coração uma ideologia que não batia com as afirmações da igreja. Foi a morte na fogueira de João Huss, justamente por ter divulgado uma ideologia diferente da que imperava na época. Joana passou a ter visões de fatos e coisas que ela não compreendia. Via, ouvia e falava com os espíritos. Foi orientada por sua mãe que não comentasse com ninguém sobre suas visões, pois tinha medo que a igreja levasse a menina. Orientada pelos arcanjos, Joana lutou pelo rei de França e pela igreja, e venceu várias batalhas.

A igreja sempre soube que Joana d’Arc via, ouvia e falava com os arcanjos, então condenou-a à morte quando ela se recusou a negar as suas vidências e conversas com os arcanjos que estavam sempre ao lado dela: São Miguel, Santa Catarina de Alexandria e Santa Margarida. Ela foi queimada viva na fogueira, como herege, uma pessoa que vai contra o que a igreja acredita.

Quando o corpo de Joana foi amarrado na fogueira, seu espírito poderia ter saído, mas não quis, preferiu entrar em prece pelos algozes que tiravam sua vida. Ao sair de seu corpo terreno, Joana foi levada por um cortejo de estrelas volantes que a levaram ao infinito. Ao recolherem as cinzas da maior das hereges da França, os carrascos encontraram o seu coração intacto.

E por muito tempo a igreja assim procedeu.

Hoje a igreja já permite que alguns documentos daquela época sejam consultados por quem demonstrar interesse. Joana d’Arc, Donzela de Orléans, foi canonizada pela igreja católica em 1920, quase cinco séculos depois de ter sido queimada viva pela própria instituição.

A Reencarnação segundo o Espiritismo

O espiritismo nos ensina que a reencarnação se baseia na justiça de Deus e na revelação.

É na justiça das várias encarnações que o homem tem a oportunidade de desenvolver sua inteligência e compreender melhor o que é o bem e o mal. O sábio estuda as leis da matéria, o homem de bem estuda e pratica as leis da alma. As leis divinas estão na consciência de todos nós, Deus as colocou assim que nos criou e cabe a nós observarmos ao nosso redor para compreendê-las. Todas as leis da natureza são leis divinas. O homem só é infeliz porque das leis divinas se afasta. Elas são eternas e imutáveis como o próprio Deus.

E é estudando e meditando sobre as coisas da vida que poderemos entender as revelações. Muitos de nós ainda têm dificuldades de entendê-las pois ainda as interpretamos ao sabor de nossas paixões, falseando uma lei toda de amor e caridade.

As reencarnações são para todos nós, os espíritos imperfeitos que ainda não conseguiram alcançar a perfeição durante sua estada na Terra ou em outros mundos.

“Na casa de meu Pai existem várias moradas”. (Jesus)

O Universo é a casa de Deus e cada planeta conhecido nosso ou não é uma morada em vários estados de evolução, dos espíritos imperfeitos, ainda como nós ou em situações piores de ignorância (Aqueles que sentem orgulho, egoísmo e todas as paixões que lhe são consequentes, e apesar de também sentirem a intuição de Deus, não a compreendem.), até aos espíritos puros (Sem influência da matéria e com superioridade intelectual e moral absoluta, com relação aos espíritos das outras ordens. São designados às vezes pelos nomes de anjos, arcanjos ou serafins.). Seus corpos condizem com a forma mais ou menos material, conforme o grau de pureza a que chegaram e de seu mundo de origem.

Deus deixa a todos nós, seus filhos uma porta aberta ao arrependimento. Por isso a necessidade de passar por várias existências corpóreas para que nelas ocorram as transformações.

Todos nós tendemos para a perfeição, isto é, a nos tornar espíritos puros, bem aventurados (Joana d’Arc) e só as encarnações sucessivas nos concedem a oportunidade de corrigir nossos defeitos morais.

O conhecimento da existência dessas várias reencarnações nos dá esperança para melhorarmos em todos os aspectos e ainda nos dá força e vontade para fazermos o melhor que pudermos.

Esse já é um grande passo, pois sabemos quão difícil é mudar. As mudanças não ocorrem de uma hora para outra e sim com a oportunidade das reencarnações, através de várias vidas.

Cada um de nós está em um estado de evolução diferente e caminhando, mas não são todos os espíritos que aproveitam suas encarnações da melhor forma possível.

Imagine uma escada com várias pessoas em cada um dos degraus. Umas sobem mais rápido, outras devagar, e algumas ficam simplesmente paradas no mesmo degrau, achando que não vale a pena o esforço para subir, por não acreditarem numa vida contínua após a morte. Estes são os que falharam em suas missões e provas, e ainda hoje não se interessam em entender os porquês da vida. Só sabem reclamar.

Até que chega uma encarnação em que esta situação muda, porque ao chegar na espiritualidade ele finalmente tem a consciência de que a vida continua e ele mesmo pede para voltar (reencarnar).

A Terra não é nossa primeira morada. Ela é uma das mais materiais e imperfeitas. Se não avançarmos o bastante para irmos a um planeta melhor, continuaremos no mesmo planeta ou iremos para um pior, como era a Terra no seu início.

Quando o espírito alcança a perfeição, ele só volta à Terra ou a outros mundos inferiores como missão.

O que determina ao espírito a reencarnar, quando ele não tem condições de escolher, é o seu grau de evolução.

Chega uma hora na vida de todos que as perguntas sobre o porquê da vida começam a florescer dentro de nossos corações sem nos darmos conta.

Para nós essas perguntas surgem através do sofrimento que muitas vezes ocorre justamente para que possamos acordar. Não é maldade de Deus, é simplesmente a nossa necessidade de despertar. São os nossos comportamentos nesta e em outras vidas, dos quais não temos conhecimento, que geram estas situações.

O que plantamos, um dia colheremos. Isto se dá aos poucos, porque Deus é justo.

Com a Terra em transição (evolução), essas transformações serão mais frequentes.

Não podemos reclamar. Temos a vida que pedimos a Deus para a nossa evolução espiritual quando estávamos na espiritualidade.

Escolhemos o que é melhor para a nossa evolução junto a espíritos de luz, familiares e amigos que já estão em situação melhor que a nossa e torcem para que em breve nos juntemos a eles.

O estudo da doutrina espírita nos esclarece sobre tudo o que acontece em nossa vida e a nossa volta.

Deus nos ama como a um filho e só quer o nosso bem. Nós é que nos desviamos do caminho certo através dos defeitos morais.

Para nos ajudar, Ele mandou profetas, depois seu filho Jesus e mais tarde a Boa Nova através de Allan Kardec , como uma terceira chance para nossa evolução.

Ao encontrarmos as respostas, somos mais felizes e confiantes. Sabemos que fazemos parte desse maravilhoso Universo e que somos imortais (eternos), e que o aprendizado continua através de nossas evoluções.

Pronto, agora você já entende um pouco mais sobre Reencarnação Espiritismo.



http://passeespirita.com.br/

Seguidores