Páginas

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

SAUDADES...



SAUDADES

De todas as dores da Humanidade, possivelmente a mais aflitiva seja a
que se constitui na separação dos afetos pelo fenômeno da morte.
Embora todos saibamos que a morte é a etapa final dos que vivem na
Terra, não nos preparamos para recebê-la. Eis porque ela sempre nos
surpreende, esfacelando-nos o coração em tortura moral.
Para os que acompanham o féretro até o que se denomina a última morada
do corpo de carne deveria ser o momento de acuradas reflexões.
O que existe, afinal, para além do túmulo?
Para onde vão as almas dos que se foram, abraçados pelo sono da morte?
Como diluir a dor da separação?
Que existe vida além desta vida já foi suficientemente comprovado.
Seja pela revelação religiosa que, desde os tempos imemoriais se refere
ao Espírito imortal, seja por ramos da ciência médica e psicológica que
apresentaram estudos variados, concluindo pela existência de um
mundo invisível, onde vivem os que deixam o corpo carnal .
Jesus, o Mestre excelso, provou mais de uma vez que a morte é uma ilusão
dos sentidos físicos. No Tabor, ao Se transfigurar, frente aos olhares atônitos
de Pedro, Tiago e João, apresenta-Se tendo ao lado direito e esquerdo as
figuras veneráveis do legislador hebreu Moisés e do profeta Elias.
Ora, ambos haviam vivido entre os hebreus há muitos séculos.
Contudo, ali se apresentaram tão vivos que Pedro cogitou de erguer tendas
para que eles as habitassem, ali mesmo no monte Tabor.
Jesus, após Sua morte infamante na cruz, apresentou-Se aos Apóstolos e
aos discípulos variadas vezes, em ambientes fechados e ao ar livre,
demonstrando que prosseguia vivo.
Os que morrem continuam vivendo, no mundo que lhes é próprio, o espiritual,
que somente não detectamos pela grosseria de nossa visão material.
A prova de que prosseguem vivos a temos nos sonhos em que com eles nos
encontramos, trocamos confidências, amenizamos as saudades.
Jesus, o Mestre excelso, provou mais de uma vez que a morte é uma ilusão.
Essas são as experiências individuais de todos nós.
Apesar de tudo, a saudade se alonga nos dias, tanto mais forte quanto mais
se demoram os meses e se amontoam os anos.
Por isso, somente a oração pode lenificar a longa saudade. Quando oramos a
Deus pelos que partiram, eles nos sentem as vibrações, quais se fossem
abraços de carinho e na mesma intensidade, os retribuem,
pelos fios do pensamento.
Um dia, logo mais, haveremos de nos reencontrar na Espiritualidade, quando
transpusermos os umbrais da morte. Então, diremos adeus aos que permanecem,
para recebermos um olá, você chegou! Dos que nos precederam e nos virão
receber no portal da tumba.

Texto Extraído - Redação do Momento Espírita

Seguidores