Páginas

domingo, 25 de agosto de 2013

PSICOGRAFIA: A RESPOSTA QUANDO PRECISAMOS!!!




Recebo com alegria as manifestações de carinho e, principalmente, de agradecimento, mas me sinto na obrigação de, uma vez mais, esclarecer o papel e as imensas limitações de nosso espaço. Primeiramente, embora não seja uma página pessoal, acabo sendo identificado como único responsável pela eventual ajuda que buscamos dar às pessoas feridas pela dor da perda. Erroneamente, para alguns, pode ficar a impressão de que podemos mais do que nossa restrita vontade de auxiliar; que somos melhores do que parecemos ou que haja qualquer tipo de auto-promoção. Como já tive oportunidade de escrever aqui, na Comunidade no Orkut e em e-mails de resposta, não sou médium. Faço parte de um grupo de médiuns que se reúne em duas casas e que, eventualmente, faz psicografias, em complemento ao trabalho de assistência material e espiritual. E, na verdade, sou o único do grupo que não possui qualquer sensibilidade mediúnica : não vejo, não sinto, não tenho qualquer intuição.

Não tenho "poderes", como dizem os leigos, ainda que Divaldo Franco defenda que somos, todos, potencialmente sensitivos. Tenho apenas fé, uma fé tranqüila e inquebrantável, que me sustenta e acho que me possibilita ajudar de alguma maneira. Talvez justamente por não ter qualquer envolvimento mediúnico tenha me incumbido (ou me incumbiram) de realizar este trabalho de divulgação das mensagens, de esclarecimento e de buscar confortar as pessoas.

Por isto criamos o Blog Partida e Chegada e uma Comunidade no Orkut, onde divulgamos psicografias, artigos e reportagens sobre o espiritismo; derivando para nosso Grupo no Yahoo e, recentemente, a nossa Rede de Amigos. Como demonstram os números, tem sido possível fazer algo efetivo, mas, com realismo, ainda longe do que gostaríamos e imensamente o oposto da enorme expectativa dos que nos escrevem. Como já ressaltamos inúmeras vezes, as comunicações mediúnicas são limitadas às condições dos espíritos que se foram, de seus familiares e das circunstâncias de vida e de desencarne de cada um. Não existe uma regra rígida para que ocorram e, embora possa parecer contraditório, esta é uma medida exata da justiça de Deus.

Portanto, espero que considerem eventuais mensagens psicografadas aqui reproduzidas como meras amostragens de situações, muitas das vezes, semelhantes às suas; instrumentos de consolo e de comprovação da vida após a morte. Não procurem tal elo como um fim em si mesmo ou mera satisfação de uma curiosidade. Vejamos, todos, em cada texto, seu sentido único, pois a morte também faz parte do sentido da vida e as respostas das quais precisamos nem sempre estão disponíveis quando queremos; mas sim quando precisamos.


Marcos Grignolli

Seguidores