Páginas

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

POEMA DA MÃE QUE PERDEU SEU FILHO ASSASSINADO:


As sombras da noite
invade a terra...
Os homens caminham
apressados em busca de abrigo...
O piu da coruja
traz mau agouro...
Silencio total?
se ouve um grito...
ou varios?
Quem ouviu?
Um corpo tomba...
machucado...
ferido...
morto...
Quem viu?
Essas mãos que ferem...
matam...
roubam...
dilaceram...
Quem viu?
É a sombra da noite
que escondem os vultos?
As mãos inimigas
que matam,machucam?
E o grito sofrido...
As lagrimas sentidas...
Quem ouve,quem ver?
E na estrada escura,jogada na lama...
a justiça humana caida no chão...
E o grito dos justos?
Não se ouve no escuro?
Nem no clarear do dia...
Com o sol brilhando...
o grito de fome...
o grito de dor...
o barulho das guerras...
E as mães que choram...
pelos filhos perdidos
Pelas mãos assasinas abatidos...
tombados no chão...
Quem viu?
Nem os justos veem...
calam...
E assim caminha a HUMANIDADE....
(KILZA MÃE GILNE)

ACESSEM A REPORTAGEM:08-2-06 http://www.tribunadonorte.com.br/noticia.php?id=4695.

Seguidores