Páginas

domingo, 15 de setembro de 2013

ATRASO PROVIDENCIAL


Embora não fosse verão, o sol brilhava e os dias estavam quentes e agradáveis.

Aproveitando os feriados que se aproximavam e que a empresa na qual Jorge trabalhava estaria fechada por alguns dias, ele resolveu visitar seus pais, em agradável cidade litorânea.

Quando Jorge comunicou a decisão à família, foi alegria geral. Todos vibraram com a novidade, já pensando nas coisas que iriam levar.

— Papai, eu posso levar minha bicicleta? — perguntou Frederico, de três anos, com sua vozinha infantil.

— Infelizmente não, meu filho. Vamos de ônibus. Só levaremos o que couber nas malas.

— Ah! Então o que eu vou levar? — perguntou novamente o pequeno.

— Frederico, você pode levar as raquetes de tênis de praia e a bolinha — lembrou Artur, de oito anos, completando — De minha parte, vou levar minha bola de futebol.

Helen, de cinco anos, pensou... pensou... e resolveu:


— Eu vou levar minha boneca favorita e meu ursinho de pelúcia.

Diante da novidade, a família estava animada já pensando na alegria de rever os avós e também nos banhos de mar e nos passeios que iriam fazer.

Assim, eles arrumaram tudo que iriam levar. Até que o grande dia chegou. Acordaram bem cedinho e tomaram o café da manhã, eufóricos. Antes de sair, a mãe perguntou:

— Não esqueceram nada?

— Não!... — foi a resposta geral.

Mas Artur, ficando pensativo por alguns instantes, lembrou:

— Papai, acho que estamos esquecendo uma coisa importante.

— E o que é, meu filho?

— É que não pedimos a bênção de Deus para a nossa viagem!

A mãe se emocionou com a lembrança do filho. O pai balançou a cabeça concordando:

— Você tem toda a razão, Artur. Muito bem lembrado. Além disso, temos tempo — disse olhando o relógio de pulso.



Todos se acomodaram na sala e o pai pediu que ele fizesse a oração. Então, Arthur fechou os olhos e começou a orar:

— Senhor Jesus, estamos contentes porque vamos viajar para a casa do vovô Olímpio e da vovó Clara. Peço suas bênçãos para todos nós, que tudo corra bem e façamos uma boa viagem. E que lá chegando, levemos alegria à casa do vovô e da vovó. Obrigado.



Depois da oração eles saíram. O táxi, que havia chegado com bastante antecedência, esperava. Ajeitando as bagagens no carro, foram para a Rodoviária. Com as passagens na mão, chegaram ao local de embarque. O funcionário pegou as passagens, olhou e disse:


— Senhor, este ônibus já partiu!

— Como disse? Não pode ser! Estamos no horário, chegamos até mais cedo! O horário é 7 horas e 15 minutos! E agora não passa das 7 horas!...

— Então, seu relógio está atrasado, senhor. Veja lá no relógio: 7 horas e 30 minutos.

Jorge olhou no grande relógio da Estação Rodoviária e confirmou. O funcionário tinha razão. Voltou a olhar no seu pulso e o relógio estava realmente atrasado.

Perplexo, ele virou-se para o funcionário da empresa de ônibus, sem saber o que fazer.

— E agora, o que faço? Minha família está aqui, esperando viajar! — ele disse.

— Bem. O senhor vá até o balcão da empresa e explique a situação. Eles o colocarão no primeiro ônibus, se houver vagas.

Jorge, muito chateado, sem entender como se enganara, deixou a esposa e os filhos com a bagagem e correu para resolver a questão. A moça que o atendeu, muito gentil, disse-lhe que não se preocupasse, pois no próximo ônibus havia alguns lugares. Ela trocou as passagens e ele voltou para junto da família mais tranquilo.



Assim, uma hora depois, eles puderam finalmente embarcar. A viagem corria sem problemas, quando viram um ônibus da mesma empresa no acostamento da estrada. O motorista parou e foi ver o que estava acontecendo; alguns passageiros desceram também, preocupados.



Então, ficaram sabendo que o ônibus tivera um acidente e muitos passageiros feridos foram encaminhados ao hospital mais próximo.


Ao ouvir o relato, Jorge imediatamente lembrou-se da prece de Artur pedindo o amparo de Deus para a viagem deles. Retornando para junto da família, com lágrimas nos olhos ele contou o que acontecera à esposa e aos filhos, afirmando:

— Artur, meu filho, você nos salvou a vida hoje. Lembrando-nos de orar, você facilitou o amparo de Deus para nós. Com certeza, algum Amigo Espiritual sugeriu-lhe a ideia e, pedindo as bênçãos divinas para nossa viagem, ficamos amparados.

E Jorge completou trocando um olhar com a esposa:

— Não tem outra explicação! Quando olhei no meu relógio antes de sairmos de casa, o horário estava certo, e ao chegarmos à Estação Rodoviária, ele estava atrasado! Como se justifica isso? Só através do amparo de Jesus!

Todos no ônibus ouviram e ficaram sabendo do ocorrido, surpresos e maravilhados.

Naquele momento, Jorge ergueu-se e pediu a todos os passageiros que o acompanhassem numa oração de agradecimento a Deus, para que continuasse amparando-os e que também ajudasse os passageiros do outro ônibus, especialmente os feridos, para que se recuperassem logo.

A família de Jorge passou dias muito agradáveis na praia, junto com os avós, lembrando-se com gratidão da ajuda do Alto que receberam.


MEIMEI


(Recebida por Célia X, de Camargo, em 12/8/2013.)

Seguidores