Páginas

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

SOBRE O TERRÍVEL INCÊNDIO NA BOATE KISS EM SANTA MARIA-RS:




SOBRE O TERRÍVEL INCÊNDIO NA BOATE KISS

Amigos, uma semana exatamente após a tragédia, encerro esse texto com lágrimas nos olhos. Muita paz a todos.


Mãos Salvadoras
(texto e ilustração de Kau Mascarenhas, em homenagem a todos os que partiram para uma vida nova, na tragédia de Santa Maria)

Muitos tinham tão perto o ser amado e não puderam dar-lhe as mãos, a salvação.
O tumulto promoveu o sumiço; em segundos alguém que estava ali ao lado desapareceu. Empurrões vieram de dentro da própria mente - impulso instintivo para a recompensa cobiçada: um pouco de ar. A própria vida em risco impelia a busca de uma saída.
E os empurrões sentidos por fora foram mais imperativos: a maré de centenas de desesperados que apenas queriam o direito de continuar a viver.
Muitas mãos, braços, corpos em transe, sem cabeça, manada não pensante a empurrar para algum lugar talvez seguro, quem sabe a porta de uma noite feliz que havia sido deixada lá fora.
Onde estaria agora a luz? Onde estaria o ar? Onde estaria Deus?
Onde estaria a boca linda que beijara minutos atrás na pista de dança? E o carinho? E as palavras cheias de sorriso e esperança? Onde estaria a música alegre que enchera tudo de festa tão poucos minutos antes?
Aqueles olhos dariam tudo para ver de novo o sinal de coração feito de longe, com os dedos, pelo seu amor quando foi buscar uma bebida no balcão.
“- Quem me acorda e me livra desse pesadelo?” – implorou em meio ao pandemônio.
Grades, paredes, pessoas. Obstáculos. Vencer tudo isso e achar quem precisava achar – era esse o propósito máximo; poder de novo achar seu amor e sentir seu abraço lá fora para poder dizer “conseguimos”.
Mas a massa empurrava, vigorosa, seu corpo. Como pequeno barco de papel levado por uma enxurrada, seu corpo simplesmente seguia conforme o fluxo.
Caiu próximo à porta, muito perto mesmo.
Ir ao chão naquelas circunstâncias significava algo muito perigoso, mortal.
Mas por sorte não havia apenas braços empurrando.
Mãos salvadoras existiam ali. E foi muito importante percebê-las, heroicas e firmes, puxando as suas para a rua, para a vida, e apresentando-lhe de novo a noite lá de fora que sempre foi feliz. Noite que por pouco não se tornou inatingível, e que naquele momento se convertera num prêmio.
O próprio ar já era um prêmio.
O atordoamento que lhe impediu de agradecer às mãos salvadoras, anônimas, pelo socorro, não tirou da sua mente a pergunta: “E onde está meu amor?”
E tão logo levantou-se do asfalto que havia sido seu leito por segundos, confiante em sua recuperação, ergueu-se para continuar na trilha do seu objetivo.
Uma dor nova se instalou. O medo de perder um ser tão querido, de não fazer algo para salvar sua vida. E essa dor tinha garras poderosas, capazes de sufocar a alma.
“- Saí de lá, estou bem. Mas... e o meu amor?”
Rodrigos, Brunas, Robertos, Marias, Thiagos, Anas, Diegos, Carolinas, Alexandres... tantos ainda estavam lá dentro bailando com a morte.
“- Cadê meu amor, ou meu irmão, ou minha prima, ou meu colega, ou minha melhor amiga, ou meu esposo, ou minha namorada?” - também diziam, desencontradas, muitas outras bocas.
A pergunta empurrou no sentido menos desejado. Fez-lhe voltar o pescoço para o portal do terror de onde viu brotarem rolos dançantes de fumo e faces de cera.
Então a vontade de retornar e reencontrar seu amor desligou sua razão.
À porta, junto a muitos que salvavam e muitos que desmaiavam, gritou chamando quem amava, dentro do inferno. Voz inaudível abafada pela tosse inevitável.
Olhos e coração insistiam em continuar ardendo, confusos, iludidos, querendo fazer voltar o tempo, fazer o destino se mover para trás. E pensou que era capaz de se arremessar, atravessando a sombra negra, quente e perversa.
“- Será rápido. Vou encontrar quem amo e sairemos juntos.”
Entretanto, nesse retorno pareceu-lhe que o monstro estava maior e mais voraz. O demônio disforme havia crescido e lambia tudo e todos, fechando o caminho. Ao tempo em que engolia, também invadia corpos e devorava almas.
Sentir seu gosto não era fácil, nem bom. Na língua era o seu sabor que começava a dominar. No peito igualmente se instalara e começara a tornar-se o senhor.
Gotas incandescentes a pingar do teto choviam como cordões luminosos; pingos dourados e feiticeiros, a queimar seus cabelos, sua pele, suas energias.
Mas tudo isso seria fácil vencer. A coragem se renovou; cresceu pela força do afeto e pela fé de que o final seria feliz.
Subitamente, uma queda aconteceu. Por que precisava cair outra vez justo ali e naquele momento?
Essa não deveria ser a forma de fechar a história, nem seria um resultado justo para tanta bravura. Reerguer-se se mostrou impossível e, mesmo imóvel, tudo começou a girar.
O peso de outros corpos começou a ser sentido. Muitos caiam por cima ofertando um abraço carcereiro, sem sentido, inoportuno e mortal.
“- Onde estão as mãos salvadoras de novo? Puxem-me, confio em vocês! Por que demoram dessa vez?”
De súbito sumiu o calor e veio a lembrança da mãe feliz beijando seu rosto e fazendo recomendações antes de sair de casa naquela noite.
Desapareceu também o monstro a apertar-lhe o peito por dentro, e veio uma série de lampejos com o sonho da formatura, a cerimônia a ser realizada, o emprego garantido, o casamento próximo.
Sumiram as mágoas, a ansiedade, a dor, a macabra e caótica orquestra de gritos, o fogo, o peso dos corpos dos que sucumbiram sobre o seu corpo.
Uma improvável leveza se instalou e uma paz sem tamanho começou a tomar conta de tudo. E veio, finalmente, a visão do socorro.
“- Ah, chegaram de novo as mãos que salvam. Graças a Deus! Tirem-me daqui, por favor.”
Sim eram mãos salvadoras, novas, dessa vez com sorrisos. Pertenciam a seres vestidos de branco, que pareciam feitos de puro amor.
Médicos gentis, enfermeiros e atendentes com lindos aparelhos que nunca vira antes, estavam ali a amparar a todos os que precisavam. Uma melodia doce ganhava o lugar, substituindo a fumaça, a balbúrdia e o medo. Palavras amorosas lhe chegaram aos ouvidos e mãos macias enxugaram suas lágrimas.
“- E onde está meu amor? Também salvou-se?”
E ouviu como resposta:
“- Digo-lhe com a mais absoluta certeza, ninguém no universo estará desamparado. Pode confiar. Que tal relaxar e adormecer um pouco?”
E antes que seus olhos se fechassem para o sono reparador que antecede o alvorecer de uma nova fase na eternidade da vida, teve a imagem que buscava: o rosto do ser tão querido. Uma lágrima tranquila, aliviada, então rolou pela sua face.
Também ao lado de anjos cheios de bondade ali estava, numa maca próxima, o seu amor sorrindo, que lhe fazia com os dedos o sinal de um coração.



Kau MascarenhasKau Mascarenhas
Instituto PRO-SER
www.proserinstituto.com.br
www.kaumascarenhas.blogspot.com
www.mudandoparamelhor.ning.com

Seguidores