Páginas

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

SAUDADE... MAIS DO QUE NUNCA!!!

Saudade... mais do que nunca!!!!

Bom, já vou logo avisando que a melancolia está tomando conta hoje, então se você não quiser estragar o seu feriado com uma postagem triste deixe pra passar por aqui de novo daqui alguns dias, quando espero estar mais animada e ter coisas boas pra escrever.

Por hoje me atenho a dizer que um feriado longo como esse, com esse frio iluminado pelo sol e com um céu azul espetacular, só me traz saudade, só saudades!!! O último dia assim de que tenho lembrança, um dia como hoje, com céu azul sem uma nuvem sequer, um sol lindo brilhando, um vento gelado e um frio danado na sombra das árvores, foi o dia que enterrei meu pequeno, quase 1 ano atrás. Depois daquele dia eu sei que ainda fez frio, sim eu sei disso, mas juro que não me lembro!! Lembro de tão pouca coisa nos dias que se seguiram, a não ser pelo susto que passamos com o Felipe, nada mais eu guardei na memória. Decidi parar o tempo ali, imortalizar aquele dia pra me lembrar dele sempre que estivesse num dia parecido. Na verdade eu lembro dele todos os dias, mas num dia como hoje, eu posso até sentir o cheiro, o cheiro da terra gelada, das árvores soltando as folhas, o cheiro do vento gelado, das flores, do cd que tocava no carro que nunca mais foi ouvido. Sim, eu sinto o cheiro de tudo isso, o cheiro, o som, a vibração... tudo está aqui guardado esperando um dia como hoje para renascer dentro de mim.

Não, hoje não é um dia fácil, e se hoje não é, não consigo ainda pensar como será o dia 19, quando meu pequeno estaria completando seu primeiro aniversário.

Eu não costumo falar da minha tristeza, as vezes prefiro guardá-la só pra mim, acalentar a dor no meu coração pra me segurar nela quando precisar ser forte, e realmente ser!!! Eu procurei explodir, expôr toda a minha dor, nos dias seguintes da morte dele, chorei, gritei, me revoltei, como qualquer mãe faria, independente de qualquer coisa, foi isso que eu fiz pra quem sabe me ver livre depois, daquela dor imensurável, daquele amor que eu sentia, que parecia que ia explodir dentro de mim sem ter pra quem direcionar. Eu queria me ver "livre" de tudo aquilo e ao mesmo tempo queria tudo pra mim, pra sempre! Então procurei falar muito no meu filho, chorar toda a minha revolta, questionar tudo que eu tinha pra questionar, pra então ter a paz!! Sim eu sou uma mãe em paz, em paz comigo mesma, não me sinto culpada por nada em nenhum momento, sei que tudo foi feito da melhor forma e com tudo que pudemos, estou em paz por saber que meu filho não está aqui sofrendo, com possíveis limitações, restrições alimentares e físicas... é muito doloroso pra uma mãe ter que dizer não pra um filho quando ele pede uma guloseima e eu não precisei passar por isso! Não precisei levar meu filho pro centro cirúrgico de novo, não precisei vê-lo entubado outra vez. Mas poxa vida, era pra ele estar aqui, começando a quebrar minhas coisas, começando a resmungar, começando a puxar o rabo da Mel e talvez eu teria que correr com ele pro hospital por ter comido um grão de ração e engasgado com ele, ou por ter levado uma mordida do irmão mais velho que queria o brinquedo dele, ou por ter tido uma parada respiratória no meio da tarde, mas era pra ele estar aqui, era, era e era!!! Pena que não foi...

O que me deixa triste não é o fato de tê-lo perdido, isso foi, na verdade, um alívio pra ele e uma mãe se sente também aliviada quando o filho recebe alívio, seja ele qual seja. O que me deixa triste é exatamente o fato dele ter nascido com uma doença que ele poderia não ter tido. Que se não a tivesse, aí sim, ele estaria aqui hoje! E mesmo hoje, quase 1 ano depois, ainda é difícil não parar pra me perguntar "Deus, por que logo eu??? Por que o MEU filho??? Por que???

Dificilmente vocês vão me ver questionando Deus, Deus não tem culpa, mas Ele sabe dos motivos que eu ainda não consegui entender, só por isso eu ainda questiono, porque queria mesmo saber os propósitos de Deus pra vida da gente com tudo isso. Quem sabe um dia Deus me dá essa explicação pessoalmente e aí, com meu filho no colo de novo, eu vou entender tudo!

Por hoje só posso dizer que a saudade ta doendo lá no fundo, de um jeito que só ela sabe como machucar!

Seguidores