Páginas

domingo, 24 de agosto de 2014

MORTES VIOLENTAS II - POR QUE ALGUMAS PESSOAS MORREM DESSA FORMA?






MORTES VIOLENTAS II – POR QUE ALGUMAS PESSOAS MORREM DESSA FORMA?

Ismael Batista da Silva – Guaxupé - MG



Ao escrever o primeiro artigo sobre as mortes violentas, eu não imaginava que o tema interessaria a tantas pessoas, como aconteceu, e dar precedentes para muitos outros questionamentos envolvendo o assunto. Entre tantas perguntas que me chegaram e, as quais procurei responder cada uma delas em particular, uma foi a recordista: Por que tantas pessoas desencarnam dessa forma?

Analisando as mortes trágicas somente pelo prisma material, realmente ficamos chocados, entristecidos e inúmeras dúvidas despontam em relação a bondade e o amor de Deus para com os seus filhos.

O que Ele quer nos mostrar com isso? Por que esse castigo para nós? Por que isso aconteceu com a gente, já que ninguém merece uma morte assim? Quase sempre são esses os questionamentos mais comuns de familiares e amigos de pessoas que tiveram morte violenta.

Não. Deus não quer mostrar nada a ninguém dessa forma, Ele não precisa disso, e tão pouco, castiga um que seja de seus filhos. Somos muito amados por Ele e Seu amor é distribuído de igual modo para todos.

Já observando a temática pelo prisma espiritual, ou seja, com o conhecimento das leis da vida e de seus mecanismos, tão bem expostos pelo Espiritismo, muda totalmente a visão desses acontecimentos. Com olhos de ver, conforme asseverou Jesus, entenderemos que todos nós valendo do amor incondicional do Pai e por estarmos submetidos as Suas sábias leis, Ele apenas permite e nos faculta as oportunidades necessárias para evoluirmos, libertarmo-nos de nós mesmos, ampliarmos as nossas potencialidades múltiplas e dilatarmos as virtudes da alma que vibram em cada um nós, pois somos artífices de nós mesmos. Estamos, a cada dia, construindo o ser que desejamos ser.

Essa é a visão que temos de nós mesmos quando estamos ainda no Mundo Espiritual e que, chegando aqui, envolvidos pelo véu do esquecimento, às vezes, revoltamos com aquilo que tanto pedimos, imploramos para passar , quando aqui estivéssemos reencarnados.

Nessa linha de raciocínio, entendo que quatro são as principais causas que podem levar pessoas a desencarnarem em mortes trágicas:



Expiação – resgates de débitos que contraímos em existências passadas com ações delituosas. Para entendermos melhor a questão em análise, podemos observar que, hoje, conhecemos bem as pessoas que convivemos e até a nós mesmos, mas não sabemos o que fomos e fizemos antes para ter que resgatar os débitos de forma tão trágica.

Só para você ter uma idéia, reflita: Se no presente, mesmo já desfrutando de algum conhecimento espiritual, às vezes, ainda, nos pegamos fazendo algo contrário ao amor que nem nós mesmos aprovamos. Imagina o que devemos ter feito a muitos séculos atrás, quando estávamos envolvidos por densa ignorância espiritual e materialidade?

Na vida espiritual,conforme vamos detectando esses comprometimentos passados e tendo consciência do mal que fizemos, pedimos e , até, imploramos para resgatá-los , libertando-nos assim da consciência culpada.

Lembramo-nos que o amor apaga uma multidão de pecados, ou seja, com nossas ações benfazejas, muitos carmas negativos são apagados, não precisando, assim, passar pelo mesmo mal que provocamos em outros. Deus não quer que suas criaturas fiquem sofrendo, Ele permite apenas que, com a dor, sejamos reeducados para a vivência no amor. A dor será necessária até aprendermos amar incondicionalmente.

Importante lembrar, também, que ninguém nasceu para fazer alguém resgatar seus débitos. Ninguém veio ao mundo para provocar tragédias na vida dos outros. Não. Os próprios mecanismos da vida oferecem as contingências e circunstâncias para tal. Exemplo: Não é porque matei alguém em existência passada que alguém precisará reencarnar para me matar agora.

Outra coisa muito importante, a saber: Somos cobrados em apenas um por cento daquilo que fizemos no campo do mal, pois isso, já bastará para um espírito ser reeducado para o amor. Exemplo: Posso ter tirado a vida de inúmeras pessoas em vidas pretéritas, mas bastará eu perder a vida física uma vez, seja num acidente, em uma cirurgia mal sucedida, em uma tragédia natural, e outro acontecimento inesperado, para que isso já me dê uma nova consciência e me fazer sentir, na pele, a importância da existência física para a evolução do espírito.



Provação – quando o espírito, ao reencarnar, passa por muitos desafios, dificuldades, dores, perdas para desenvolver em si, experiências que ainda não possui; virtudes que deseja muito obter; potencialidades que quer dilatar na alma e muitas outras conquistas que o espírito almeja.

Importante lembrar que, geralmente, as provas são pedidas pelo próprio espírito antes de reencarnar. Quando elas sendo justas e necessárias para a evolução daquele espírito, e ele, já possuindo condições para suportá-las, serão, então, autorizadas por Deus.

Por exemplo: Para o espírito desejoso de aprender a virtude do desprendimento e sair do materialismo que nele impera, levando-o para o campo de espiritualização, as mortes inesperadas, trágicas são muito oportunas para esses ensejos.



Missão – muitos espíritos, já bem evoluídos, vêm à Terra com a missão de ajudar na evolução da humanidade trabalhando em alguma área. Chegando aqui, num mundo onde o mal predomina, são, às vezes, muito agredidos, atacados, violentados, pois a luz que espargem incomodará as trevas. A própria história da humanidade nos dá conta dos grandes vultos do bem que foram, em alguma época, mortos no planeta. O maior exemplo do que falo é o próprio Cristo. O que fizemos com Ele e, depois, com aqueles que vieram nos lembrar Dele? Destruimos suas vidas físicas utilizando-se das cruzes, das feras , das fogueiras santas, das armas de fogo e das penitenciárias imundas do mundo.

Hoje tudo isso ainda continua acontecendo, agora, com os respaldos cruéis da ciência e da tecnologia. Muitos benfeitores são trucidados, mortos da forma mais sutil, sem deixar um rastro se quer da criminalidade utilizada pelo mal, ou então, as mortes deles ficarão por conta das falhas dos equipamentos médicos ou tecnológicos que não funcionaram bem como deveriam ou, então, por falha humana que não soube usar direito os recursos da modernidade.

Para a nossa alegria, esses espíritos evoluídos, mesmo desencarnando de forma violenta, deixam seus legados vibrando em nossas mentes e consciências, nos convidando, motivando-nos e sustentando-nos na idéia de que podemos ser melhores seres humanos para o planeta, para que o planeta possa vir ser melhor moradia para a humanidade futura.



Perigos naturais de um mundo material em transformação – sabemos pela própria ciência material, que tudo o que está no Universo, está em constantes transformações. O nosso mundo não é diferente, ele não está pronto, experimenta muitas transformações e, por conta dessas mudanças, principalmente daquelas que ocorrem nas suas entranhas mais íntimas, corremos o risco de sermos atingidos pelos efeitos de alguma delas, como por exemplo: terremoto; furacão; tsunami; vulcão e outros tantos abalos naturais.

Quando estamos nas escolas espirituais nos preparando para reencarnar na Terra, sejamos espíritos pouco evoluídos, de evolução mediana ou de grande vulto, somos lembrados que poderemos ser atingidos por essas ocorrências, porém o que vai determinar isso na nossa vida será sempre o nosso histórico espiritual.

Na erraticidade, somos lembrados também, que estaremos estagiando num mundo onde o mal predomina e, com isso, poderemos ser atingidos pelos frutos da maldade encontrados nos corações menos evoluídos, porém vai sempre depender do nosso histórico espiritual passado.

Diante de tudo isso, o mais importante é estarmos sempre convictos que nada em nossas vidas ocorre por acaso, ninguém é vítima de nada e de ninguém. Que aqui no planeta nenhum de nós está sendo castigado e que não existe nenhum sofredor inocente. Como asseverou Jesus: “ A cada um segundo suas obras.” E o Espiritismo acrescenta racionalmente: “ A cada um segundo as suas necessidades de evolução e crescimento”.

Portanto, viva como se nunca tivesse que morrer, mas preparado para morrer a todo instante. Isso é sabedoria espiritual.

Viva a vida! Pois ninguém foi criado para a morte, fomos todos criados para viver a imortalidade que só existe para a alma.



Observação – Todos estão autorizados a utilizar esse artigo em sites, jornais, revistas, redes sociais e outras formas de divulgação doutrinária. Basta manter o artigo na forma original e dignidade de citar a fonte.



Leia também o artigo anterior: MORTES VIOLENTAS – O QUE ACONTECE COM OS ESPÍRITOS?




Ismael Batista da Silva é natural de Guaxupé, Minas Gerais, onde reside atualmente. Aposentado, espírita de berço, trabalha como médium e coordenador de cursos doutrinários no Centro Espírita Nova Era - instituição frequentada pela sua família materna, a começar por sua bisavó – vovó Chiquinha.
Residiu por 33 anos na cidade paulista de São José do Rio Pardo, onde dirigiu, por 10 anos, a Sociedade Beneficente Espírita Paulo de Tarso e o Asilo Lar de Jesus. Nessa cidade fundou e construiu a Fundação Espírita Dr. Bezerra de Menezes, entidade que atende inúmeras pessoas nas suas múltiplas necessidades.
Foi Presidente e Diretor Doutrinário de USEs – intermunicipal e regional. Fundou e atualmente preside o IDEG – Instituto de Divulgação Espírita de Guaxupé.

Seguidores